Aprendendo...a aprender...

Eu gosto de prestar atenção na natureza, digo brincando, que sou uma turista do chão, uma turista do céu, uma turista dos ciclos... um ano inteiro prestei atenção a uma árvore que vive na frente da minha sacada... vi ela secar inteira num inverno, foi ali que comecei a aprender... ela perdeu todas as folhas no outono e naquela manhã acordou seca, fiquei triste e apressadamente carimbei...que pena, já foi tão linda, morreu... fiquei nesse luto um tempo e ela ali, seca de dar dó... até o dia bonito que começou esverdear e logo florir...aquele tanto de beleza que ela fez e continuou fazendo, a cada nova primavera, pedia esse tempo de espera...eu precisava aprender a esperar...

O doído é que já sabia disso, que a vida é assim um ciclo atras do outro, fiz ate uma poesia quando percebi que bobamente tentava controlar sozinha essas mudanças e o tanto de peso extra carreguei por conta de não reconhecer, as necessidades, os ciclos, os movimentos, as paradas ...o quanto briguei com a vida, usando ego e expectativas nessa luta de não querer aceitar o que vem, e assim muito me envenenei, me quebrei e pouco aprendi ...eu fiz isso a vida toda...


porque não tive tempo
de aprender que é vento
nem caí do vôo
como passarinho
nem fui árvore e seiva
crescendo devagar
fiz de mim
urgência - sobressalto - susto
fiz de mim arbusto
com ânsia de coqueiro
grama que não sabe
ser só verde e rala
lua que não quer
minguar para crescer
me forcei atalhos
desfiz natureza
assim voando presa


ao tronco que criei...

eu já sabia, mas bem diz aquele proverbio chines: "Saber e não fazer, ainda é não saber" ou como mais tarde me disse o Caio do B : "saber é ir até a metade"...ainda estou no caminho, por enquanto como turista, só registro tudo, tudinho, pra ver e rever e quem sabe, enfim me dedicar a mudar...e largar essa ânsia de florescer antes de secar, colher antes de madurar, voar antes das asas prontas...aprender a me deixar ser, de mansinho, não no tempo que eu  quero e suponho o "ideal",  mas no tempo que tudo se apresentar...
Parar, olhar, prestar atenção, desapegar, deixar passar, se unir, se fortificar, respeitar o tempo de ser, de se refazer, de se aprontar...


 Como essa árvore cortada, por mais podada e desestimulada que ela seja, não vai desistir ... a vida esta aí todo dia pra lembrar: seja o que for, vai passar...
  Sou semente e brotar é a minha natureza...e por mais clichê que possa parecer, a verdade é: a gente vai colher o que semear...








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

El Sueño de Valentín - Alejandro Agresti

o menino que comia chuva...

Das nádias que me compõem...