quarta-feira, 24 de setembro de 2014

a conformidade mata a alma!

Hoje eu acordei indignada e reedito esse álbum antigo... Não só pelo nojo desse auxílio-moradia para o judiciário, mas pelos desvios de verbas para manutenção e corrupções variadas, por reconhecer a necessidade de uma reforma tributária digna, por uma educação em tempo integral e com professores bem remunerados, uma educação que mereça esse nome e tenha esse crédito e esse respeito, por uma saúde pra todos, pelo direito a segurança, pelo fim dos salários milionários e todas as demais regalias de deputados, senadores e juízes...É lamentável um país funcionar a base de propina... como é lamentável que a carga tributária absurda que de paga, não seja distribuída efetivamente e revertida ao que deve saúde, educação e segurança... Imagens para acalmar a sensação de impotência e e pela minha necessidade de ESPERANÇA!!!

















terça-feira, 2 de setembro de 2014

o que podemos deixar aos filhos?... Texto lindo do Carpinejar

"O que podemos deixar aos filhos? O que fará um filho acreditar na vida mais do que a gente acreditava? Não devemos prevenir as crianças com o nosso ceticismo. São frases que retiramos da primeira gaveta do medo: ?Não insiste?, ?Quebrará a cara?, ?Não vale a pena?, ?Não dará resultado?. Pessimismo não é sinônimo de inteligência.
Há papo mais chato do que de ex-petista, ex-fumante, ex-seminarista, ex-carnívoro, ex-fanático por futebol, ex-marido, ex-mulher, ex-pecador? Além de arrependidos, mostram-se curados do passado. Insuportáveis com suas lições empíricas.
Articulam acrobacias com a língua para desfiar seu rosário de decepções. São imbuídos da missão sagrada de alertar aos colegas e amigos dos horrores de suas vivências. Evangelistas do apocalipse, pregam suas conversões com a capa preta do diário.
Amaldiçoam a divergência. Numa conversa, vão desconsiderar qualquer opinião diferente da sua com uma ameaça: "Você ainda vai entender!"
É o ciúme da fé. Temos que extrair a fé do próximo, para não sentirmos falta da nossa.
Sofrer não pode eliminar a esperança. Sofrimento sem esperança é masoquismo.
Se a trajetória não saiu conforme planejamos (e nunca sai), não significa que a nossa prole mereça seguir o nosso descrédito. Prefiro alguém que seja bem crédulo a outro que somente destrói as opiniões com seus testemunhos.

Ingenuidade é sabedoria. Precisamos preservar as ilusões. Sou favorável a mais ilusões, menos realidade.
Qual será o ânimo de um adolescente para retirar seu título eleitoral se os pais falam sempre que todos os políticos são corruptos?
A infância está carregada de miragens. Saudade do tempo em que eu não enxergava. Na cegueira, a imaginação - pelo menos - avançava.
O que posso transmitir aos meus filhos é uma história de amor. Assim mesmo, bem sentimental. De legado, nada é mais precioso do que uma história de amor. Que os casais tenham se amado mais do que vivido. Contem como os dois se encontraram: as coincidências, a atração, a resistência, as gafes, os alumbramentos. Não poupem detalhes. Sejam babacas, mas que permitam que seus filhos sejam românticos. Dêem a eles a mesma chance que vocês tiveram.
Minha filha nunca cansou de me perguntar: "Por que você se separou de minha mãe?"
Explicava ponto por ponto que a paixão acabou, que começamos a brigar por bobagens, que já não nos entendíamos, que foi melhor assim, senão ela teria que crescer sob um permanente temporal. Segui a receita psicológica de expor a verdade para os filhos. De não esconder nada.
Fui um idiota. A pergunta era outra, e me escapou.
Ela procurava saber: "Você amou minha mãe? Como foi a história de vocês?"
O que posso fazer pelos meus filhos é não estragar a fé deles. É minha herança."

Lindo texto, me botou a pensar: até que ponto tenho contribuído na manutenção da fé e da esperança da minha filha? Até que ponto tenho cuidado que a alma e o coração dela, tenham essa força que só os que  CREEM são capazes de ter? A necessidade de manter acesa a certeza de que pode ser diferente e melhor, que contrariando todos os maus presságios (e o mundo está cheio deles) a vida pode ser justa, dar certo e ser feliz? Até que ponto tenho garantido as janelas bem abertas, pra esse tanto de luz necessário pra condução dos dias?
 Li a crônica pra ela, emocionada e já me desculpando, auto censurando as tantas vezes que fui negativa, na tentativa estúpida de preservá-la: como se não fosse sempre preferível o joelho esfolado do tombo da bicicleta do que a vida sem arranhões e emoções, guardada atrás do medo...a vida espiada da janela, não tem vento na cara e risada aberta de pátio. A vida é pra ser vivida agora e com fé.
Com uma sabedoria adolescente linda, ela me diz: "sossega mãe eu sou do tipo que acredita nas exceções", e eu fiquei feliz, por que reconheci ali na expectativa da exceção alguma herança minha, algum desenho de coração onde ninguém veria nada :)

E vendo esse filme que eles fizeram, também vi que ela já sabe que a vida, fazemos nós, diariamente, curtindo os pequenos e deliciosos detalhes :D
https://www.youtube.com/watch?v=HyW2RonSw4s&feature=youtu.be