suspiro ou sufoco?


Eu achava que as relações eram fatalmente tensas e com uma certa dose de destempero...  nada era simples, natural, "Fácil e sem tensão".  
A felicidade era tipo um surto maníaco, esporádico, fugaz e sem garantia.
Confundi por anos paixão com amor, isso talvez explique tudo,  o sobe desce parecia mais latente, tentador, mais tumulto do que paz...e eu nem sabia se a paz me servia, achava mesmo que podia ser tediosa.
Agora relendo esse poema do Leminski, percebo que também pra ele, a tônica sempre foi essa, do amor ser um sufoco, essa troca, muitas vezes non sense, de rosas e socos ... 
Felizmente uso o verbo no passado, e estou tendo provavelmente uma segunda chance de aprender que amor é mesmo brincar no pátio e não na montanha russa, como acreditei a vida inteira... Tomara ... tomara que seja pátio mesmo- nuvem - lençol voando - pandorga, brincadeira leve e sem medo, esconderijo e gargalhada, imaginação no céu e a vida fazendo borboletas, que seja esse desejo quente de se aconchegar, de cuidar, de compartilhar de se preencher no abraço, de sossegar na intimidade...




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

El Sueño de Valentín - Alejandro Agresti

o menino que comia chuva...

Das nádias que me compõem...