quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Moldes...

Minhas memórias
São longas
Por que as casas do meu passado
Tinham longos corredores
São pura luz
Por que sempre me abasteci
de vaga-lumes
Céu estrelado e luas

Minhas lembranças
São recheadas
De alfajores e doces de leite argentinos
E tardes de nuvens e sonhos

Minhas emoções
São genuínas
Por que as moldei no barro do pátio
Na sombra de árvores e gostos

Se hoje vez ou outra, esqueço...
É por que aqui tem tanto barulho sem sentido
Que isso é demais e me atordoa

Minha melhor versão,
Só de revela
De pés descalços
Vivendo leve e a toa...

Nenhum comentário: