domingo, 24 de abril de 2011

biografia e amor não revelados...

Minha avó morreu, sem que eu tivesse acesso a toda sua história, minha avó foi uma obra que não consegui apreciar, e digo isso com uma tristeza imensa, por que já não posso abraçá-la, nem beijá-la, nem lhe dar o amor que merecia.

Minha avó precisava ser amada, mas como muitos que não foram bem amados, era uma pessoa difícil, que testava os limite dos afetos, que dizia palavras secas e duras talvez ou por que não aprendeu a adoçá-las ou simplesmente por que precisou ficar amarga pra se defender.

Me lembro criança sem nada saber e sempre ter que deixar a sala quando a conversa era de “gente grande”, cresci nesse “antigamente” onde as famílias guardavam segredos e silenciavam “maus passos”, como eram chamadas paixões avassaladoras, gravidez prematuras, fugas de casa, traições, filhos fora do casamento, casamentos infelizes e outras coisinhas do tipo. E assim nesse jogo de esconde-esconde muitas histórias de bisavôs, avôs, tios e até mesmo de nossos pais ficaram incompletas, quanta incompreensão a partir disso.

Sempre que leio biografias, me reapaixono pelos biografados, me identifico, me aproximo, me sinto cúmplice.

“Homem é tudo igual, homem não presta!” minha avó disse-me um dia, como se ensinasse um mantra perfeitamente embasado em toda a sua história, “o amor é que nem fumaça, sufoca mas passa”, a sua mesma dor ditava, eu imaginava que era uma certa espécie de ódio que ela nutria por mim, que lhe fazia tão ferozmente tentar destruir meus recém descobertos sonhos românticos.

Faltou conhecer a biografia de minha avó, faltou enxergá-la, ouvir de sua dor e compartilhá-la e desarmadamente poder mimá-la e dar o colo que só esperei receber, faltou entender que atrás daquele muxoxo que ela fazia diante das minhas emoções de adolescente, existia muito amor, um amor desajeitado, cuidadoso e grande, alicerçado num medo enorme de me ver sofrer, como ela sofreu um dia, por amar.

Um comentário:

Anita Félix disse...

Lindo Nádia....
Tenho pensado tanto em minha avó nestes dias, que este texto caiu como uma faca....