quarta-feira, 17 de junho de 2009

No rigor...de sempre e nunca...

Ele se atirou da pedra mais alta
(como sempre)
se esfolou na queda
(como nunca)
nadou contra a corrente
sangrando chegou na margem
dispensou ajuda
(como sempre)
segurou meu braço por instantes
precisou do apoio
(como nunca)
logo se soltou
arrumou o passo
(como sempre)
"preciso buscar a paz"
me disse firme
andou quilômetros
sem palavras

ele não sabia envelhecer
se recusava
tinha construido uma vida de luta
e assim no enfrentamento
no rigor
se supunha mais forte
desaprendeu a precisar de outros

fez do nunca
o sempre...

andei ao lado
e no silêncio
decidi não seguir igual

4 comentários:

Luciane disse...

Triste e forte. Qualquer rigor é danoso né? Beijao!

marcelo disse...

Que lindo Nádia! Muito bom! Ainda bem que tu não quis ser igual. Beijo!

Denise disse...

Como nunca se fora sempre.

lindo aqui

beijo

Denise

Wania disse...

Nadia que texto liiiindo!
A gente nunca é suficiente forte para dispensar o outro!
Ainda bem que não fizeste do nunca o teu sempre!

Bjs e bom final de semana pra ti!