sexta-feira, 29 de maio de 2009

teorias bobas e minhas...

Sou desse tipo de gente que tece teorias...não imutáveis, que não sou tão boba a esse ponto, mas sou boba o suficiente para pensar e simplicar certas questões em teorias "explicativas"...
Estou falando disso, por que a LU há pouco no blog comentou sobre um filme do qual ela nunca assistiu o fim, Ps, Eu te amo!
Lá vai a minha teoria: o final, cada um faz o seu, relembra cenas e termina o filme, no ponto exato da sua necessidade, da sua capacidade de entendimento...Como uma sessão de Lacan...Fiz um teste uma vez numa mesa, com 5 amigos, a pergunta:
Como termina o filme O coração Valente? Cinco finais diferentes, na verdade seis, por que nenhum bateu com o meu...assim de certa forma carimbei minha teoria como verdadeira.
Quer saber outra teoria, que até agora me parece certa?
Ao acabar a "moda" de tocar música lenta, a proximidade das pessoas não só foi duramente prejudicada, como os relacionamentos sofreram um imediatismo de processo e com isso o desejo também reduziu...Explico:antes quando existia esse "ritual de aproximação", existia uma escolha prévia, um desejo que demorava a ser satisfeito e quando finalmente os corpos de aproximavam, a boca se aproximava do ouvido, os cheiros eram percebidos, havia um processo mais lento de fervura e uma ebulição saborosa...Agora, alguns desses passos são pulados, inclusive o processo de escolha seletiva...o que fatalmente leva á falta de desejo...
Falando em desejo, teoria final: a postura emocional de hoje é de fast food, ou sendo mais específica de buffet...uma variedade enorme de cores, cheiros e sabores, nunca haverá tempo para provar tudo...a sensação fomentada é de que existem sabores exóticos que precisamos provar, existem mil sabores...numa época que estimula a curiosidade e a eterna procura, é um prato cheio para a eterna insatisfação.
Nenhum problema em terminarmos o filme onde bem entendermos...Problemas enormes em não sabermos optar e nos deliciar com um excelente prato a la carte e com o melhor vinho ou champagne da casa...né?

4 comentários:

Luciane disse...

Nossa, Nádia...amei esse post e concordo em gênero, número e grau com tuas teorias, que de bobas não tem nada! Beijão e um otimo findi!

Wania disse...

Nadia, tenho que concordar com a Lu...nada de bobo li aqui.
Constatastes a mais pura das verdades!
Esta "evolução" emocional acabou queimando etapas fundamentais para a construção de um
relacionamento à dois,tornando as novas relações, imediatas e totalmente, descartáveis!
Todos perdemos com isso...

Bjs e bom final de semana pra ti.

Nadia lopes disse...

oi, meninas que bom vê-las por aqui e que bom que não gostamos dessa situação atrual, o que mostar que temos almas sedentas de significados e valores...tudo de lindo nesse fimde frio e chuvoso...se abafem!
beijoooo

Márcia disse...

Excelente a comparação das relações atuais com fast-food. Esse é o tempo da pressa, da correria... das coisas rasas.
Eu quero slow-motion!
Beijo querida!