terça-feira, 21 de abril de 2009

acendendo cor...



Não sei se foi o tempo que andou nublando, o friozinho de fim de tarde, a noite chegando antes ou tudo isso junto me trazendo a lembraça de um inverno...Acordei querendo mudar de cor, coloquei de volta almofadas cor de laranja,outras com flores de chitão, as fotografias e os livros, tudo exposto, garantindo calor pra dentro de casa..e agora há pouco lendo a Lu, e uma poesia bonita,quis também mostrar um momento poético e primaveril meu, fazendo uma "versão feliz" do Poema 20 do Pablo Neruda..

Posso escrever os versos mais felizes esta manhã
Escrever, por exemplo: “O dia amanheceu cor de rosa,
Saudado pela música de pássaros ao longe”,
A vida colore o céu e canta

Posso escrever os versos mais felizes nesta manhã.
Eu o quero, e ás vezes ele também me quer...
Em manhãs como esta eu estive em seus braços
E o beijei tantas vezes debaixo o céu infinito

Ele me quis, ás vezes eu também o queria
Como não amar seus grande olhos molhados e sua voz rouca
Posso escrever os versos mais felizes esta manhã
Pensar que mesmo não o tendo perto, o tenho, dentro

Ouço o dia nascer, e brilho imensamente por ele
O verso cai na alma como na relva o orvalho
Que importa que minhas mãos não possam tocá-lo
O dia está azul e ele está comigo

Isso é tudo, ao longe os pássaros cantam, Ao longe.
Minha alma se expande de tê-lo encontrado
Como para aproximá-lo meu poema lhe acaricia
Meu coração se aconchega, e ele está comigo.

A mesma manhã que faz lilases as mesmas árvores
Nós, os de então, já não somos os mesmos
(não estamos sós)
Eu o quero, é verdade, como nunca quis.
Minha voz procura o vento pra tocar o seu ouvido

De outra, espero não seja de outra, sempre pronto aos meus beijos
Sua voz, seu corpo quente. Seus olhos úmidos.
Eu o quero, é verdade, mas ás vezes não o quero.
É tão frágil o amor, e tão longa sua permanência

Porque em manhã como esta eu estive em seus braços,
Ainda que este seja o último amor que a vida me cause
Estes não serão os últimos versos que lhe escrevo.

Acordar nessa manhã plena
E vê-la colorida
Devo ao poema
Que ele escreveu em mim.


E viva as primaveras e as cores quentes!

3 comentários:

Luciane disse...

Que delícia Nádia! Amei o poema e amei muito mais a cor vibrante do teu espaço!
Que novas cores, bem quentes e vivas, aqueçam esse inverno que se aproxima! Beijo!

Nadia lopes disse...

Oi, LU
Essa é a idéia, muito calor pra contrabalançar o clima...
Que bom que tu gostou!
Adorei teu poema tb!(me inspirou)
beijooo

Mary_Flor disse...

Hum..Hum.. que coisa boa teu blog!
Me senti muito bem lendo os textos..
Me senti até inspirada, escrevendo sobre o inverno no meu blog!!

Desejos de novas cores, bem quentes e vivas pra aquecer este inverno!!

Beijão!