domingo, 8 de março de 2009

os filmes assistem a gente...

Os livros lêem a gente, as músicas nos intrumentalizam, acho impressionante e bonito esse processo...Nada novo o que vou dizer, mas naquela sala enorme e escura e mágica, cada vida é tocada de um jeito, cada cena é ampliada por uma necessidade, cada efeito e sentido é único...

Sei disso há tempos, desde aquele filme (lembra Lu)que fui rever na casa de uma amiga, do qual ela só lembrava das calientes cenas de amor embaixo das pontes e eu da frase do pai, alertando a filha que aquele "homem caliente" tinha optado por outra vida no passado, quando poderia ter escolhido viver/viajar com ela.
Filha:Ele não escolheu, aconteceu..(Se referindo a uma gravidez supostamente indesejada que mudou todos os planos)
Ao que o pai sabiamente contesta: Quando não se tem coragem, é assim que se escolhe, deixando acontecer!

Mas o assunto, é Benjamin Button, pego o filme novamente querendo rever o encontro deles, que me tocou especialmente e o momento que a filha sabe, enfim ser fruto daquele amor e lê cartões postais lindos enviados a cada aniversário, que me emocionaram muitissimo e recebe do pai um conselho básico: viva de forma que possa se orgulhar e quando isso não estiver acontecendo, lembre-se nunca é tarde para recomeçar!

Ainda vou conseguir aquelas cenas pra colocar aqui, preciso lembrar disso todo dia, pode virar meu mantra, não desistir nunca de ser melhor, nunca culpar o tempo pro qualquer ação, covardia ou desistência.

Mas espantosamente comento com a minha amiga que assistiu o filme comigo, e ela não registrou essa cena...

Será que a gente assistiu o mesmo filme? Cheguei a me questionar...E conclui, foi o filme que nos assistiu e nos mostrou o que precisávamos ver, nos encaminhou ao labirinto, nos mostrou saídas particulares.


Tudo que nos toca a emoção, nos pega pela mão e nos leva pra passear, essa é a magia de todas as artes, inclusive a arte dos encontros.
É também a nossa maior escolha: se deixar levar, se deixar tocar...


Longo caminho...grande labirinto!

Um comentário:

Luciane disse...

Ah, Nádia, e que labirinto esse... Essa frase que tu me deu. Essa cena do filme, vai me acompanhar para sempre...
Beijo!