quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Carinho é levar junto...

... levar no coração, na cabeça, na alma, uma deliciosidade e um capacidade que pouca gente tem, de saber o que toca uma pessoa e de alguma forma levá-la junto, compartilhando a emoção...
Pra praia no inverno, pra Paris, pra Barcelona, pra passear de gôndola , levá-la pra visitar parques, museus, ruas, mares do outro lado do mundo, enquanto ela permanece no interior do Brasil.
Meus amigos acabam de me dar esse carinho de presente, levaram-me pro show do Zeca Baleiro e ainda por cima me trouxeram um Cd autografado: “ pra Nádia, balas, beijos, bombas!”
Eu amei saber que estive com eles por lá, me emocionei com esse poder onipresente de estar onde nossa lembrança for saudada...e fiquei triplamente feliz: por tê-los como amigos, por me saber gostada e pelo Zeca... grata Simone e Ronaldo!

Felicidade é coisa leve & gostosa feito beijo,doce feito bala e também faz explodir, BOMBA BOA!


Foto Fábio Codevilla, que também fez o carinho de registrar duas musicas ontem e o Zeca em foto, quer ver? Vai lá: www.itapemafm.com.br/codevilla

Eu que sou fã de carteirinha da música/estilo do Zeca Baleiro, desde que comecei a ler seus escritos no site www.zecabaleiro.com.br intitulado Bala na Agulha virei FÃ TOTAL da pessoa física e da jurídica...Com é TUDODEBOM esse cara, noooooossa!

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Sol 2x ao dia...

Um dia um médico me receitou: “OLHAR O CÉU 2X AO DIA”, era um SOL REMÉDIO,como posologia, pra me lembrar de querer voar como águia e não ciscar feito galinha.
Alguém me disse dia desses que eu devia ser receitada, como posologia também, foi um dos elogios mais originais que me fizeram nos últimos tempos.
Podemos todos ser remédio ou veneno, e eu gostei de lembrar da minha capacidade de ser melhor do que pior, de ser cura e não doença.
Talvez o grande aprendizado daqui, seja retirar das posologias pessoais a parte que nos cura, a parte que nos ajuda na luz, que nos eleva, em todo e qualquer contato real, existe a dose que sana e a que danifica, ficarmos RESSENTINDO a doença é uma injustiça, deveríamos SENTIR e RE-SENTIR, (sentir de novo) todo o bom que foi e pode sempre ser compartilhado, o que existiu de bom não se apaga, (nem o mal se resolvermos, mas quem precisa disso?).
Sentir e valorizar o quanto (tanto) que uma relação um dia nos fez mais e melhor é querer a cura.

tem gente
que nos ajuda na expressão
fala com verdade
põe água nos olhos
não mede palavra
não economiza emoção
gente assim
que por ser
mais gente
nos liberta
enche os olhos quando fala,
gente que guarda a luz
do menino que empinava pandorga
que nadava no rio
gente que faz histórias bonitas
e as coleciona
como figurinhas premiadas...


Olhar o sol 2x ao dia, nem sempre se consegue, ás vezes nubla...
Olhar o brilho das pessoas nem sempre se consegue, ás vezes o olhar turva...
O fundamental é querer enxergar e voar,a cura está na intenção do olhar e sempre vale á pena!

Quem já esteve no alto, sabe o que é ganhar o céu, ganha-se a luz e o ar...e isso ninguém nos tira...

Foto Vicente Sampaio

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

"a felicidade só é real, quando é compartilhada!"



"A felicidade só é real, quando é compartilhada" do filme Na natureza selvagem...e da minha vida cotidiana,nâo posso esquecer disso...Compartilhar e só assim ser feliz...E por que partilhar com é tão difícil?
Do que mesmo se foge? Do que fugia o personagem?
Foge-se das concessões da intimidade!
Ele fugiu de qualquer contato humano, seria uma metáfora(?), se exilando no Alasca, na frieza, na solidão.
O que aquela touca vermelha representava lá longe e visível? Talvez uma possibilidade de amor, aceitação e sentido que ele descobriu no caminho, e que a familia inicial não lhe proporcionou.
A família é nosso primeiro exercício, nossa referência, quando esta nos pede para sermos diferente do que somos, para encaixarmos, para negarmos nossas naturezas, quando condiciona o amor que será dado como moeda de troca- escambo, nos carimba impossibilidades de nos relacionarmos bem, numa troca saudável.
Essa primeira má resolução, pode virar o molde,que será fatalmente ampliado pros próximos e assim opressores sistema de relações.
Oprimido um ser com sensação de metade, numa adulteração auto-imposta tentando encaixar em outra metade, se entrega buscando uma aceitação integral mesmo se mostrando em partes ou foge do "inteiro" forjado por duas metades que de antemão sabemos, nunca se encaixam.
Somos múltiplos, capengas e singulares, qualquer tentativa de adulteração ou edição dessa realidade, é falsa e a felicidade assim composta, vaza...

A aceitação e o acolhimento das nossas singularidades na intimidade primeira é a unica possibilidade de felicidade real e da não perpetuação das fugas por vulnerabilidade e medo...
Como um mantra Victor Hugo declama em minha cabeça: " A suprema felicidade da vida é ser amado pelo que se é, ou mais precisamente ser amado apesar do que se é"...

abençoada...

foto Luiz Fagundes

Recebi este texto lindo da minha mãe, a quem sou eternamente grata, por me ter feito mulher e ter me dado a possibilidade e o ensinamento de ser mãe.

"Nós estamos sentadas almoçando quando minha filha casualmente menciona que
ela e seu marido estão pensando em 'começar uma família'.'Nós estamos fazendo uma pesquisa', ela diz, meio de brincadeira. 'Você acha que eu deveria ter um bebê?'
'Vai mudar a sua vida,' eu digo, cuidadosamente mantendo meu tom neutro.'Eu sei,' ela diz, 'nada de dormir até tarde nos finais de semana, nada de férias espontâneas.. .'Mas não foi nada disso que eu quis dizer. Eu olho para a minha filha,
tentando decidir o que dizer a ela. Eu quero que ela saiba o que ela nunca vai aprender no curso de casais grávidos. Eu quero lhe dizer que as feridas físicas de dar à luz irão se curar, mas que tornar-se mãe deixará uma ferida emocional tão exposta que ela estará para sempre vulnerável. Eu penso em alertá-la que ela nunca mais vai ler um jornal sem se perguntar 'E se tivesse sido o MEU filho?' Que cada acidente de avião, cada incêndio irá lhe assombrar. Que quando ela vir fotos de crianças morrendo de fome,ela se perguntará se algo poderia ser pior do que ver seu filho morrer.
Olho para suas unhas com a manicure impecável, seu terno estiloso e penso que não importa o quão sofisticada ela seja, tornar-se mãe irá reduzí-la ao nível primitivo da da ursa que protege seu filhote. Que um grito urgente de 'Mãe!' fará com que ela derrube um suflê na sua melhor louça sem hesitar nem por um instante.
Eu sinto que deveria avisá-la que não importa quantos anos ela investiu em sua carreira, ela será arrancada dos trilhos profissionais pela maternidade. Ela pode conseguir uma escolinha, mas um belo dia ela entrará numa importante reunião de negócios e pensará no cheiro do seu bebê. Ela vai ter que usar cada milímetro de sua disciplina para evitar sair correndo para casa, apenas para ter certeza de que o seu bebê está bem. Eu quero que a minha filha saiba que decisões do dia a dia não mais serão rotina. Que a decisão de um menino de 5 anos de ir ao banheiro masculino ao
invés do feminino no McDonald's se tornará um enorme dilema. Que ali mesmo,em meio às bandejas barulhentas e crianças gritando, questões de independência e gênero serão pensadas contra a possibilidade de que um molestador de crianças possa estar observando no banheiro.Não importa o quão assertiva ela seja no escritório, ela se questionará constantemente como mãe.
Olhando para minha atraente filha, eu quero assegurá-la de que o peso da gravidez ela perderá eventualmente, mas que ela jamais se sentirá a mesma sobre si mesma. Que a vida dela, hoje tão importante, será de menor valor quando ela tiver um filho. Que ela a daria num segundo para salvar sua cria, mas que ela também começará a desejar por mais anos de vida -- não para realizar seus próprios sonhos, mas para ver seus filhos realizarem os deles. Eu quero que ela saiba que a cicatriz de uma cesárea ou estrias se tornarão medalhas de honra. O relacionamento de minha filha com seu marido irá mudar, mas não da forma como ela pensa. Eu queria que ela entendesse o quanto mais se pode amar um homem que tem cuidado ao passar pomadinhas num bebê ou que nunca hesita em brincar com seu filho. Eu acho que ela deveria saber que ela se apaixonará por ele novamente por razões que hoje ela acharia nada românticas. Eu gostaria que minha filha pudesse perceber a conexão que ela sentirá com as mulheres que através da história tentaram acabar com as guerras, o preconceito e com os motoristas bêbados.
Eu espero que ela possa entender porque eu posso pensar racionalmente sobre a maioria das coisas, mas que eu me torno temporariamente insana quando eu discuto a ameaça da guerra nuclear para o futuro de meus filhos.
Eu quero descrever para minha filha a enorme emoção de ver seu filho aprender a andar de bicicleta. Eu quero mostrar a ela a gargalhada gostosa de um bebê que está tocando o pelo macio de um cachorro ou gato pela primeira vez. Eu quero que ela prove a alegria que é tão real que chega a doer. O olhar de estranheza da minha filha me faz perceber que tenho lágrimas nos olhos.
'Você jamais se arrependerá', digo finalmente.
Então estico minha mão sobre a mesa, aperto a mão da minha filha e faço uma prece silenciosa por ela, e por mim, e por todas as mulheres meramente mortais que encontraram em seu caminho este que é o mais maravilhoso dos chamados. Este presente abençoado de Deus...." (autora desconhecida)

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

http://www.trash80s.com.br/radio/radio.htm

Se tem coisa que me provoca efeito máquina do tempo é TRILHA SONORA, amei essa rádio que toca os anos 80 e me leva de volta pra lá, quando tudo era tão leve e descompromissado!

uma visão do céu...


foto Vicente Sampaio

Vicente além de um excelente fotógrafo, é voador. Num vôo dia desses, se deparou com essa preciosidade, um ipê roxo no meio de uma plantação de cana, achei poética e inusitada essa cena.
Ele me diz contrariando meu comentário pollyannesco, que não se trata de um lavrador poeta e sensível, nem um usineiro doce, é graças as multas do Ibama, e eu mesmo assim, tenho certeza que tem mão de poeta aí, tem visão lúdica, e eu tenho o amigo presente que abre meus olhos pra tudo isso!

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

não espere......



Minha filha foi quem me mostrou esse vídeo e essa verdade...
"é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, por que se você parar pra pensar, na verdade não há..." Renato Russo

domingo, 10 de agosto de 2008

meu pai faz 70 anos!!


Meu pai está fazendo 70 anos...e minha mãe que escreve bem, reuniu algumas histórias dele, que demonstram o homem que ele é, o homem por quem ela se apaixonou, casou e com quem nos fez, uma delas:


O convite para Formatura



Recebemos um convite para uma formatura de Medicina... Li o nome da moça e não conheci. Perguntei para o Duba e ficamos os dois a se perguntar quem seria. Não reconhecíamos nem seus pais ...Tentávamos lembrar se era algum conhecido de Itaqui, quem sabe filha de algum colega e nada... Depois de um tempo o Duba lembrou: – Acho que já sei de quem é! – e passou a contar: – Quando eu trabalhava no caixa, além de fazer pagamentos, as pessoas vinham ver se havia sido debitados em suas contas dinheiros, cheques... Os depósitos eram mandados do interior via fax e registrado nas contas dos clientes ou entregues ao destinatário na boca do caixa. Essa moça vinha seguido ao banco pois seus pais mandavam dinheiro para ela pagar cursinho e estadia. Um dia ela veio por três vezes no banco, de manhã cedo, no meio–dia e aí pelas três horas... E nada! Nem sombra do tal fax. Eu lhe perguntei o que estava havendo e ela me explicou que era o último dia para fazer a inscrição para o vestibular, e os pais não haviam mandado o dinheiro.-Vou perder o vestibular...- ela disse desolada. Aí eu falei pra ela: –Vamos fazer o seguinte, eu te empresto e depois quando chegar tu me devolve! Ela aceitou, faceira, no outro dia veio o tal passe e ela me pagou... Acho até que ela me falou depois que havia passado no vestibular... –Deve ter terminado o curso e mandou o convite!...-concluiu

Nota: Mandei para a formanda umas flores e um cartão em nosso nome.
Não conheci a moça, mas conheço o meu marido para saber que para ele esse foi apenas um gesto humano, que não precisava de reconhecimento nem lembrança

Me pede pra escrever algo, e mesmo achando que as palavras não conseguirão dizer tudo tento: Meu pai me ensinou a ser ética e humana, a ser irônica e rir e fazer piada até dos meus próprios tropeços, a ser forte, mesmo que para isso precisasse encobrir medo e fragilidade, me deu amor, carinho e certeza de que eu conseguiria andar e voar, e que sempre teria um ninho pra voltar. Ouvi uma frase muito significativa dele há muito tempo atrás: “Com tanta coisa boa pra herdar, tu foi herdar logo meu orgulho!” É essa sabedoria de me auto-reconhecer que eu espero atingir um dia, e claro ter a capacidade amorosa, presente e especial de deixar a minha filha voar e poder sempre contar comigo, como ele me ensinou. Amor é isso!

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

".a saudade é a nossa alma dizendo para onde ela quer voltar."

estou há dias com saudades infantis, assim como esse amontoado de lembranças aí de baixo, saudades de um tempo e de uma nádia que fui, em outro século, aí encontro essa frase: ".a saudade é a nossa alma dizendo para onde ela quer voltar."... E percebo que é isso, simplesmente minha alma quer voltar: a crer, a ser, a rir, votar a andar de pes descalços, minha alma não quer ter medo de andar nas ruas, minha alma não me aguenta assim, com os ombros pra dentro "invernosa", minha alma gosta mesmo é de me ver leve, voando por aí, minha alma sente falta de ar!

Tomara que não me abandone e vá morar noutro lugar...

domingo, 3 de agosto de 2008

flashes pra me lembrar...

viajar e rir por quase nada...
puro encantamento
pandorga voando bem alto
barquinho de papel
banho de chuva
pátio
tatu-bola
familia reunida
reveillon natal
bicicleta nova
andar sem rodinhas
parreiras, uvas no ponto
bergamota, moranguinhos
goiaba no pé
árvore e sol
deitar na grama
mato e rio
rede risadas
troca de olhares
musicas lentas
beijo na boca
aprender a dirigir
ganhar as chaves
da casa e do carro
passar de ano
vestibular
primeiro salário
ganhar porto alegre
vencer medos
realizar um sonho antigo
vida pulsando dentro da barriga
filha mamando, falando
andando,correndo sorrindo
ouvir te amo
se aconchegar
dormir mais um pouco
banho de banheira
cachoeira
lua na praia
luau amigos
chorar acompanhada
rir acompanhada
dia amanhecendo
primeiras flores da primavera
folhas de plátano
casa nova
liberdade

vida feita em flashes
editar
colocar trilha sonora
e ser feliz

tão fácil!

sábado, 2 de agosto de 2008

a vida é estrada sem mapa...










dá pra seguir sem destino ou certeza, dá pra parar tomar sol e se deliciar com a paisagem, dá pra se perder, dá pra pedir socorro...

O caminho não se sabe ao certo, mas o caminhar é nosso...