segunda-feira, 14 de julho de 2008

viciada na luz...

"Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado: pensava que, somando as compreensões, eu amava. Não sabia que, somando as incompreensões, é que se ama verdadeiramente.."
Clarice Lispector


Uma vez um antigo namorado me magoou, como era a intenção, dizendo: '"tu és apaixonada pelo amor"...
ok, talvez eu seja uma apaixonada pelo amor e isso não me magoa mais...sou aquela que cata os brilhos e as cores do chão e dos cantinhos e quando não os encontra, olha as nuvens, a lua e cata os arco-íris, e se subitamente deixa de ver, se entristece e se ressente com a falta de sol e do motivo que possa tê-lo encoberto.
Na falta de luz, deixo de acreditar na cor refletida, deixo de espiar, esqueço da necessidade de eco/espelho/resposta e simplesmente paro de ver ou crer...(por um tempinho)
Fecho meus olhos pra dentro, e num processo básico, faço um tempo de casulo,para criar cores próprias e voltar voando...
Talvez eu seja simplesmente uma apaixonada pela paixão, uma viciada em oxitocina, e como todo dependente químico, não consiga viver muito tempo sem ela, na ausência começo a ter variações de humor, insônia, começo a ter ânsias, dissonâncias e desassossegos, vou ficando sufocada de faltas, vou me assustando nos escuros, me perdendo...
Se existe algo de matemático nesses processos amorosos, não são restos, quocientes ou divisões, só dois multiplos e suas incompreensões e desejos se somam e se expandem ou não.

Um comentário:

Ana disse...

Essa não é você,sou eu!Hahahahahah!
Me senti em seu sentir!
Muito lindo!